sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Olá

Finalmente, lá nos encontrámos cara a cara, faz hoje uma semana. Desculpa não ter escrito nada antes. Até tinha planeado uma maratona de escrita nas duas noites em que a mãe ficou internada depois do parto, mas não foi bem assim que se passou. Vou tentar agora, mas não é fácil. Eu às vezes queixava-me de falta de tema na minha vida pacata, mas agora tenho uma espécie de engarrafamento de temas. Percebi isso a primeira vez que te ouvi chorar, mal te tiraram da mãe, porque tive uma emoção muito forte que não conseguiu ser processada toda de uma vez. Foi a primeira coisa que ouvi de ti, antes de te ver: a tua voz. Para aqueles médicos e enfermeiros, és só mais um bebé, mas para mim, aquele "UuuaAAAa cof cof Uaaaahhh" de ovelhinha bebé, pareceu-me a coisa mais comovente que já ouvi na vida. Esperámos um pouco e depois cortei-te eu mesmo o cordão umbilical (delayed cord clamping, quando leres este texto provavelmente os médicos de todos os hospitais já usam isto como padrão). Estavas a chorar e com o queixinho de baixo a tremer de frio e embrulharam-te muito bem contra a mãe, em cima do peito dela. A tua voz, o estares a chorar de frio e do esforço, enfim... chorei um pouco. Pensei que ia ficar impressionado com tudo aquilo, pelas histórias intermináveis de maridos que desatam a tremer ou a desmaiar ou ficam nervosos a gritar com toda gente, mas quero que saibas que com o pai não houve nada de mariquices. Tudo porque a mãe esteve sempre feliz e corajosa, o tempo todo, mesmo quando quase me partiu a mão com uma contracção mais forte (uma enfermeira disse "nunca se dá a mão a uma mãe em trabalho de parto" antes de dirigir as mãos da Plaft para a armação de ferro da cama especialmente desenhada para o efeito). Eu confesso que estava muito nervoso de manhã, quando fomos a caminho do hospital para a indução de parto. Muito, mesmo. Sabes aquela ansiedade que temos no dia da partida de avião às 7 ou 8 da manhã para um destino longínquo para passar férias? E temos as malas, e os passaportes e temos um misto de ansiedade por medo de perder o avião ou de esquecer alguma coisa em casa, mas ao mesmo tempo excitados com a aventura que se avizinha? Pois estávamos assim mas vezes mil! Antes de irmos, acordei às 6 da manhã e fui correr, só porque não sabia o que fazer. E fui buscar o carro para o deixar à porta e notei que todos aqueles momentos estavam a ficar registados na minha memória devido a um gigantesco marcador somático. Fiquei no carro a pensar nisso, que tudo naquele dia, das nuvens no estranho céu da aurora à camada de cinza no carro devido a um incêndio de véspera, me estava a ficar registado para sempre. Os nervos passaram quando entrámos no hospital e o processo se iniciou. Parecia tudo tão normal e divertido ao mesmo tempo! Ok, divertido até começarem as contracções a sério. Quando te vi, tive consciência do milagre que tu és. 3.7kg de perfeição, com imenso cabelo já e uma suspeita camada de pelo. Sabia que era o chamado lanugo, ou de outro modo teria desconfiado que a tua mãe era uma lobimulher e eu não sabia. Acho que simpatizaste comigo logo. Nós apaixonamo-nos por ti todos os dias mais um pouco. Às vezes sinto isso fisicamente, uma descarga eléctrica a vir do coração, como se falhasse uma batida. Há muitos homens que dizem "basta olhar para o filho para a primeira vez e mudamos para sempre". Eu não acho isso. Acho que é uma coisa na qual se vai entrando. Uma coisa são emoções primitivas como chorar baba ranho, essencialmente de descompressão dos nervos do parto, outra é isto. É claro que quando te ouvi e vi pela primeira vez derreti-me todo, mas isso foi só o início. Percebo agora porque recomendam que um homem não perca o comboio logo ao início e estabeleça depressa uma ligação muito forte com o bebé. Vamos viver muitas coisas juntos e gostar cada vez mais um do outro. Esta semana pareceu-me a mais intensa da minha vida. Todos os dias há qualquer coisa de novo. Por exemplo, ontem sorriste muito tempo para mim (e não, não eram espasmos) e ficaste acordada muito tempo a ginasticar. Tomar conta de ti tem sido relativamente fácil e muitíssimo fácil se tivermos em conta as histórias de terror que nos contaram e que lemos, por vezes até em livros... Só choras por motivos muito óbvios e que se resolvem em poucos minutos (às vezes segundos) e dormes muito bem. Agradece à mamã ela amamentar-te Para além dos benefícios invisíveis (sistema imunitário, nutrientes certos) há um benefício evidente que vejo entre ti e ela. Tu recebes duas coisas nesses momentos: leite e amor. E a tua mãe também fica com a moca da prolactina e ocitocina, para além de se sentir muito útil para ti, porque tu ficas mesmo mesmo mesmo irritada quando tens fome e ficas mesmo com uma moca muito engraçada depois de mamar - é preciso segurar-te na cabeça para arrotares. Por isso agradece-lhe, porque lhe doeu muito nos primeiros dias e de vez em quando ainda oiço "AIAIIIIaiamgmgghhh" quando fazes uma pega mais forte.

Tanta coisa para contar, mas agora não há muito tempo porque estás ali ao lado e acho que te ouvi. Desculpa o texto um pouco desconjuntado, tentarei fazer melhor depois.

Ah, foste muito corajosa no teste do pezinho e até agora tens adorado a condução do papá, adormeces ferrada assim que o carro arranca.

Deixo os nossos leitores com os teus pezinhos reais, depois do teste:




21 comentários:

binary solo disse...

Parabéns!

nAnonima disse...

Parabéns!!!!!
:)))))))))))))))))))))))

(eu sei, parece estranho, mas, de certa forma, sinto (eu e possivelmente tantos outros que te seguem na blogosfera) a Júlia como uma «sobrinha» :))))

abraço forte aos três.

Sãozinha disse...

Muitos parabéns!

Solana disse...

Muitos Parabéns!

pipinhaeheh disse...

Parabéns pela cria. E muitas felicidades. Eu odeiei que lhes fizessem o teste do pézinho, chorei um terror.

M D Roque disse...

Muitas felicidades para os 3. A mãe é uma campiona, o pai um valente e a Júlia uma ternura, uma maravilha... Uma mulher de Agosto, caramba ! Vou voltar a ler o texto : a verdadeira emoção é um forte antidepressivo. Beijinhos para todos desta tia velha. Xi- <3

Ana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mariam disse...

É o mais bonito triângulo amoroso que a vida te vai dar. Aproveita-o, é único :-)

3 beijos + 3 <3 <3 <3

O Sexo e a Idade disse...

Um mundo de felicidades é o que vos desejo!
Júlia, com um amor de pai assim (d)escrito (caramba Tolan, juro que te ouvi sussurrar todas as palavras) tenho a certeza de que vais conquistar o Mundo!
Vais ao ombro de gigantes; dos do teu pai Tolan e da tua mãe Plaft!
Sê bem vinda pequenina Júlia!

Isa disse...

Muitos parabéns, Tolinhas, muitos. Grande abraço à Plaft também. E tocaste no ponto fulcral da amamentação: bonding.
Tudo de bom pra vocês e para a pequena Júlia. E nada temas em relação ao texto, ficou lindo :)

ML disse...

Que texto maravilhoso!

Parabéns!!

São João disse...

Parabéns Tolanito, para ti e para as meninas.

Roger disse...

Parabéns pela pequenita :)
Felicidades para os 3 :)
Grande abraço

Mariam disse...

Há qualquer coisa que me diz que vos vi aos três, hoje, no Guincho.

Se eram mesmo, a Júlia é aquilo que os pediatras chamam "um bom bebé" - enorme, gordinha, cor-de-rosa. Está cheia de vida e de saúde. Parabéns, mesmo!

Aproveitem tudo, é uma fase tão boa!

jp disse...

Gosto :) Parabéns

Pólo Norte disse...

Grande Tolan, beijinhos a todos!

Bem-vinda Júlia! Tens um grande legado para continuar: és filha do BILF!

(Um abraço de solidariedade à Plaft!)

Mak, o Mau disse...

Caríssimo,

Podia ser um texto de uma só linha e o comentário seria o mesmo - Bravo.

Aquele abraço virtual e tudo a correr pelo melhor (metaforicamente, que isto não é tempo de corridas a sério, nem sequer de bicicleta) :)

A Mais Picante disse...

Oh! Atrasada mas de coração, muitas e muitas felicidades. Pequena Júlua vai ser grande, tem uns dedos grandes (é o que diz o povo e o povo lá sabe). O texto transpira amor, pequena Júlia será enorme. Muitos parabéns.

jj.amarante disse...

Muitos parabéns e muitas felicidades para os três!

Tolan disse...

Muito obrigado a todos pelos parabéns :)

Filipa disse...

Cheguei tarde mas, espero, a tempo de vos desejar as maiores felicidades nesta nova etapa. E esse amor que hoje sentes pela Júlia vai crescer todos os dias.

Parabéns e aproveitem bem! Passa tudo a voar!