quinta-feira, 9 de maio de 2013

Público vs Privado

Vamos ter o bebé no público. Foi uma decisão complicada. À partida, estava inclinado para o privado. Nos hospitais privados é quase certo que o bebé nasce de cesariana, o que é bom, porque se pode marcar o dia, a hora, o médico e organizar a vida em função das férias e de compromissos. As percentagens de cesarianas chegam aos 93% enquanto que no público ficam-se por uns miseráveis 25-30%. A Plaft diz que isto acontece porque uma cesariana custa cerca de 5 mil euros e nos privados interessa-lhes o lucro e organizar a logística da estadia das mães, então qualquer motivo serve de desculpa para uma cesariana, visto que um parto natural é barato (em virtude de ser um método ultrapassado e arcaico) e mais demorado. Mas a Plaft é de esquerda e pensava o mesmo dos hotéis, até eu lhe mostrar os de cinco estrelas com SPA. Nos privados é possível fazer dezenas de ecografias, segundo me constou. Lá preocupam-se mesmo com a saúde das pessoas e não olham a despesas.

Exemplo de pós-parto num moderno hospital privado


Exemplo de pós-parto num hospital público


Qualquer ranking de instituições de ensino nos diz que os liceus privados são melhores. Têm os melhores professores, melhores alunos... penso que essa formação deveria começar logo nas horas anteriores ao nascimento. Se a Plafty Júnior nascesse rodeada de bebés do privado, com certeza teria mais hipóteses de sucesso profissional do que rodeada de bebés do público, sujeita a bullying por arremesso de chuchas por exemplo. Contudo, não foi possível convencer a Plaft, apoiada que estava por médicos, enfermeiras especializadas e outras pessoas que lhe explicaram que o público é melhor. Até lhe meteram na cabeça que quando há um problema qualquer grave, as mães são transferidas para hospitais públicos que têm especialistas e equipamentos capazes de resolver a situação e que só se deve recorrer à cesariana em caso de necessidade, o que consiste certamente numa calúnia de profissionais que não arranjaram foi colocação num hospital privado como deve ser. Eu nasci de cesariana. A minha mãe diz que foi porque eu estava todo embrulhado no cordão e de cabeça para cima. Não me recordo exactamente das circunstâncias, mas dá para ver que não me apetecia nada passar pela estucha de um parto natural. Como somos um casal moderno, as decisões respeitantes à gravidez são levadas a votos entre mim e a Plaft, embora o voto dela valha 2 e o meu 1. Portanto, desta vez ganhou ela. Vamos então para isso do público e do parto natural. Se quer parir como as vaquinhas e as porquinhas da quinta, que posso eu fazer?

19 comentários:

nAnonima disse...

ainda bem que a Plaft, para além da beleza, também ficou com a inteligência, Tolan...

:)

Izzie disse...

A Plaft tem razão, toda a razão ;)

Pipoca Mais Picante disse...

Oh! Quando a Plaft estiver cheia de dores, daquelas que dão direito a palavrões, amaldiçoar o pai da criança, que digo eu? Amaldiçoar todos os homens, e não lhe derem epidural porque o anestesista está ocupado com qualquer coisa mais importante que um simples parto mudará de ideias. Ou então não... Boa sorte!

DN disse...

são opções. há razões para um lado e para outro, há hipótese de escolha e ainda bem, não defendo uma ou outra em particular, acho que cada um sabe de si. e quando as apertares às duas nos teus braços, queres lá saber se foi público ou privado, natural ou cesariana, porra, queres é que onde e como quer que seja, que venha com saúde e que elas se encontrem bem.
bons e maus exemplos há nos dois lados, com certeza a esta altura do campeonato já vos contaram todas as historias desgraçadinhas da mãe, da prima, da amiga da amiga, do que correu mal, do que correu pior, pelo que te digo que, feliz ou infelizmente, ser do publico ou privado não é garantia de nada, estatísticas são isso mesmo e, no final, o que interessa... tu sabes o que é :)

anouc disse...

A Plaft é uma miúda inteligente.

kiss me disse...

Bem, a minha mãe sempre me disse que partos é no público porque casio algo corra mal (optimista esta minha mãe) os públicos têm tudo o que é preciso relativo a neonatologia. Isso é bom.

As mães não são é tratadas como princesas...

Tolan, pensa que se for por cesariana a Plaft só se mexe (digamos... para fazer ... sei lá...coisas como as que vocês fizeram para conceber a Plafty Junior) muuito mais tarde ;)

Timido disse...

Engraçado, que uma enfermeira ainda ontem me deu o mesmo chá...
Também lá em casa fomos e votos, e também foi duas contra um... Sinceramente acredito que a votação estava viciada, e que a piquena iria sempre votar na opção da mãe... Vou investigar...

Maria D Roque disse...

Grande Plaft ! Mas e epidural ?
Acontece que por mais incrível que pareça o Hospital D. Estefânia ou o de Stª Maria, por exemplo estão melhor preparados para dar resposta em casos em que o parto complica. Daí que muitas parturientes são transferidas para o público .
Mas com a Mafaldinha ( isto sou eu á pesca outra vez) vais correr tudo 5 estrelas, vais ver. :D

Peregrina Repetente disse...

Excelente opção a da Plaft.
Sim no privado se não fizerem cesareana não ganham "nada".
No público têm mãe e filho a melhor assitencia possível, não têm mordomias, mas será isso importante?
Na zona grande Lisboa já há bastantes Hopitais com quartos de 2camas apenas, que são preferiveis às salas com 8/10 puérperas em que de facto é complicado descansar.
PR

Sara ProfissãoMãe disse...

Descobri agora o teu blog e vais ser o próximo Entrevistado no Paizário :) aceitas? :)

P.S- tive um no público e outro depois no privado...
Se tivesse um terceiro...iria para o privado novamente :)

Pipas disse...

já sabes o que é que eu acho do tema... palmadas nas costas da Plaft!

(experiência própria: eu e toda a gente que lá estava nesses dias tivemos quarto individual no hosp público, tive que esperar por anestesista, que estava a resolver casos mais urgentes que o meu, mas quando veio esteve sempre de mão dada comigo e só desapareceu quando eu estava completamente recuperada da anestesia, que foi epidural sim senhores!)

Pipas disse...

ah! e recuperei num instante: na manhã seguinte já tomei banho sozinha!

fantasias disse...

Vai fazer dia 14/05 13 anos, foi no publico e com epidural não há queixas a apresentar e há hoteis bem piores...parabens à escolha da Plaft.

Maria D Roque disse...

Ai , querido Tolan....
Tem uma música velhinha, velhinha, velhinha, que não fala de bebés, mas que descreve a vida Pós- Bebé TÃO bem...

"Ils sont arrivés dans l'île nue
Sans un bagages et les pieds nus
Comme un cyclone inattendu
Comme une fleur avant la saison
Comme une pluie de papillons
A laquelle on a jamais cru"


Tu e a Plaft vão ser espectaculares, verás... e as escolhas, vêm com o tempo, porque a maior parte da planificação pré e pós Natal, nem sempre funciona como se planifica... :D:D:D

R. disse...

Ainda bem que alguém por aí tem cabeça para pensar.

R.

Ana disse...

Tive dois filhotes na velhinha MAC e não tenho nada a apontar, apesar dos quartos com mais 5 mamãs e seus rebentos tornarem qualquer hipótese de descanso, nas 48 horas de permanência, uma miragem.
Claro que os «mimos» não são os mesmos que se recebe nos privados, claro que se sai com uma criança nuns braços esgotados pelo cansaço, que não há cá enfermeiras que levem os recém-nascidos até ao berçário, quando as mães estão a desmaiar de sono e cansaço, mas, sinceramente, o que eu acho que foi importante, para a sensação de segurança, foi ser seguida (no meu caso, no consultório privado) por um médico da MAC, que depois assistiu ao parto - da mais velha, que do mais novo a coisa foi tão rápida que não deu tempo para contactar médico, nem para epidural... quase nem dava para chegar à «box» de partos.
Confesso que, se fosse hoje em dia, com tantos «cortes» na saúde, se calhar, tinha mais receio... mas é uma opção absolutamente defensável.
Força! (em todos os sentidos :-))

disse...

Tolan, como em tudo, nada é verdade nunca.

eu tive dois filhos no privado e tenho 4 amigos com filhos no mesmo hospital, todos por parto natural. há benesses como o pai poder passar as primeiras noites com o filho e a mãe, coisa que no público é impossível.

o que não significa que no público fiques mal servido. vai correr bem.

ZeduViana disse...

O publico é excelente. Vou dar indicação à minha mulher que é obstetra em hospital publico para ela te vir dar na cabeça para esta caixa de comentários..
Se queres conforto vai ter o parto para um hotel... se complicar vai para o publico :P
se quiseres ser racional pensa que o do publico já o pagaste com impostos enquanto no privado o seguro vai arranjar uma maneira de te castigar.

Entre Biberons e Batons disse...

Conheci hoje o teu blog e adorei! :)
Quanto a este post, é como tudo. Tenho amigas que tiveram más experiências no público e no privado. Eu tive o meu filho no público, no S. Francisco Xavier, e só tenho a dizer bem.
Ahhh... e amei as ilustrações do pós-porto. Se bem que devo dizer que no S. Francisco, e como tive a sorte de ficar num quarto só para mim e com uma vista fantástica para o rio, senti-me mais como na primeira imagem ;)